Wiki do André

Partilha de conhecimento

Os meus telemóveis

Como é sempre engraçado recordar a tecnologia passada e também outras memórias (ou tormentos…) passados com estes equipamentos, segue uma lista dos telemóveis que já tive e algumas informações/opiniões. Estão por ordem de aquisição (mais antigo para o mais recente).

Bosch 509

Imagem do Bosch 509

Foi o meu primeiro telemóvel. Se bem me lembro, foi na altura em que houve a febre do Nokia 3310, com o famoso jogo do Snake! Também me lembro na altura de substituirem as antenas externas por clipes para ficar mais parecido com o 3310. Não cheguei a fazer isso ao meu. Quanto a funcionalidades, era um telemóvel GSM muito básico, uma entrada para o carregador, não tinha WAP, enfim, um calhau apenas para fazer chamadas de vez em quando. Era bastante fácil de utilizar e tinha bom tempo de resposta. As teclas também eram em borracha e tinham uma sensação ao toque bastante boa. Já não está cá por casa.

Motorola Talkabout 180 (T180)

Imagem do Motorola T180

Era um telemóvel engraçado, mas talvez inferior ao Bosh. Não tinha jogos, e continuava a ser um calhau sem WAP, apenas para chamadas e mensagens. Tinha a incomodativa “funcionalidade” de não gravar as mensagens de entrada ou saída quando se respondia a uma mensagem. As teclas eram um bocado duras, e a localização do botão de ligar e desligar era esquisita. Tinha um bom tempo de resposta, como a maioria dos telemóveis de antigamente. Não sei se tinha alarme ou agenda de compromissos, não usava isso na altura. Acabei por entregá-lo para troca por outro telemóvel (ainda valeu 10 euros!)

SonyEricsson T100

Imagem do SonyEricsson T100

Originalmente da minha mãe, depois passou para mim, e por fim para o meu pai. Era um telemóvel engraçado, leve e com teclas em acrílico. Era um pouco lento, porque fazia uma espécie de fade effect entre transição de menus (inútil, na minha opnião). Ainda tinha a “luzinha” indicadora de rede, quando alguns telemóveis da altura já não a tinham. O ecrã era monocromático (com fundo azul), e a luz do teclado era laranja: era um telemóvel bonito. Já tinha alarme e alguns jogos, que papavam rapidamente a bateria. Ainda o tenho por cá, mas a bateria dura 1 ou 2 dias.

SonyEricsson T630

Imagem do SonyEricsson T630

Foi um dos telemóveis que mais gostei de ter. Ecrã de 65000 cores, uma câmara VGA. Tinha imagens, toques personalizados para as chamadas (tons polifónicos, não suportava tons reais), alarme, jogos, e já tinha WAP. Não sei se era defeito, mas no fundo das fotografias tiradas com este telemóvel aparecia sempre uma “bolha”… Até levei uma vez à loja, mas disseram-me que era essa a qualidade normal dele. O joystick tinha uma luzinha quando o telemóvel estava a carregar ou tinha falta de bateria. Em suma, foi um dos equipamentos que mais gostei. Comecei também a usar o dicionário T9 para escrever mensagens um pouco mais rápido (nunca fui fã do pitês, por isso consegui usar o dicionário sem problemas). Foi também o primeiro telemóvel que tive com algum tipo de conectividade (bluetooth e infravermelhos). Ainda cá mora, e já fiz um projeto com ele para simular um telecomando para o PC; tem algumas teclas avariadas, quando o meu pai tentou limpá-lo com álcool etílico…

Nokia 3310

Imagem do Nokia 3310

Usei-o durante uns tempos quando o SonyEricsson T630 ficou semi-avariado. É um telemóvel que, com certeza, dispensa apresentações. Muito agradável em termos de menus e funcionalidade, suporta perfis (que não usava muito na altura, mas hoje são indispensáveis), as teclas eram muito boas ao toque, bom tempo de resposta. Excelente para escrever mensagens. Bastante intuitivo de usar. Ainda cá anda, e está desbloqueado para poder usar com qualquer cartão. Serve agora como telemóvel de substituição.

Nokia 6500 slide

Imagem do Nokia 6500 slide

Sem dúvida, o melhor telemóvel que alguma vez tive (sempre usei telemóveis de gama baixa, este já era um bocado mais caro). Após a avaria do SE T630, procurei um novo telemóvel e tinha planeado comprar o Nokia N70. Mas, como apenas havia na versão de GPS e custava 200 euros, desisti. E mesmo ao lado direito, que telemóvel estava? Precisamente o Nokia 6500 slide. Nunca o tinha visto, mas o seu design minimalista despertou-me logo o interesse e acabei por comprá-lo nessa altura. E que aquisição fantástica: a qualidade da câmara era razoavelmente boa, 3.2 MP e flash led, tinha bluetooth, ligação USB, ecrã de 262000 cores, bastante intuitivo, tons reais, temas, … Enfim, tanta coisa que acho que nem cheguei a usar tudo. Também veio com um cartão de memória com 512 MB. Tinha uma tecla dedicada para tirar fotografias. Como contras, era um pouco pesado, e em dias mais frios, tinha uma sensação desagradável ao toque ou mesmo no bolso das calças (o telemóvel tinha a capa em metal)… Brr! Mas não me importava. Adorei o design e toda a qualidade do telemóvel. Infelizmente acabou por avariar o botão de ligar/desligar e então perdeu toda a utilidade. Ainda andei a ver se alguém o arranjava, mas a reparação oficial ficava demasiado cara para o valor do telemóvel. Ainda cá o tenho, e vou tentando fazer alguma coisa, na esperança que ainda funcione. Ele veio com uma série de extras: cabo para ligar à TV, carregador, cartão memória, auricular, cabo USB.

Nokia C2-01

Imagem do Nokia C2-01

Depois do Nokia 6500 slide se avariar, com algum sacrifício, procurei um telemóvel novo. Porque achei que não utilizava todas as funcionalidades do anterior, procurei um modelo mais modesto, até 100 euros. Foi uma escolha bastante difícil, e acabei por escolher o Nokia C2-01. Era um telemóvel que estava a ser lançado no momento, e como tal, ainda foi fácil arranjá-lo desbloqueado. É um telemóvel bastante mais modesto que o Nokia 6500 slide, mas dá perfeitamente para o que pretendo num telemóvel. Veio com algumas aplicações sociais (facebook, flickr, …), jogos, alarme, perfis, agenda. Também tem slot de cartão de memória, que aproveitei do antigo para este. Suporta hotswap, isto é, trocar o cartão de memória com o telemóvel ligado. Foi o meu primeiro telemóvel desbloqueado de origem. Veio apenas com carregador e auricular numa caixa minúscula. Até agora, tem-se mostrado um telemóvel capaz e prático.

LG L90

Imagem do LG L90

O Nokia C2-01 foi um telemóvel bastante modesto, e que na verdade se revelou muito versátil. Porém, tinha muitas limitações face aos dias de hoje. Era difícil ter acesso à Internet num dispositivo destas dimensões e era bastante limitado em termos de apps. Resolvi então dar um passo em frente e optei pelo Android. Como queria ter um dispositivo que me desse algumas garantias de não se tornar obsoleto dentro de pouco tempo, optei por este LG. Tem um Snapdragon 400, que é o modelo mediano hoje em dia da linha Snapdragon. O telemóvel é rapidíssimo e a LG fez um excelente trabalho na personalização do Android. Os menus são muito intuitivos, fáceis de percorrer e por vezes revelam-se bastante inteligentes. A qualidade do telemóvel é muito boa em termos de desempenho, chamadas e aparência. Os únicos defeitos que coloco são a ausência de um led de notificações (útil para não estar sempre a ligar o ecrã quando se quer ver se houve alguma chamada/mensagem perdida) e o espaço útil para o utilizador (dos 8 GB anunciados, menos de 3.87 GB estão realmente disponíveis para apps e outros ficheiros). Para superar esta última limitação, comprei um sdcard para colocar a tralha multimédia, deixando o espaço disponível no dispositivo para apps.

BQ Aquaris X5

Imagem do BQ Aquaris X5

Nos dias de hoje, 1 GB de memória RAM é curto para as últimas versões do Android. Aliado a isso, hoje temos necessidade de ter várias apps em background (comunicação, GPS, ...). Apesar de ser um bom telemóvel, o LG L90 já estava a mostrar algum desgaste face a apps mais recentes, por isso resolvi substituí-lo por um modelo com 2GB de RAM. Encontrei o BQ Aquaris X5, que reune tudo o que procuro num telemóvel: rápido, bonito, prático. Estava bastante reticente face às 5 polegadas do equipamento (daí ter anteriormente escolhido o L90, com 4.7"), mas agora não o troco por outro ecrã menor :D É um telemóvel com um processador mediano (Snapdragon 412), 2 GB de RAM, dual SIM, entrada para cartão de memória e 32 GB de armazenamento (outro problema que tive também com o L90 foi o espaço curto, 8 GB). Bastante bom em termos de ergonomia, performance (em uso moderado), e facilidade de uso. Vem contornos em metal, e uma traseira ligeiramente curva, que lhe dá um aspeto muito moderno e bonito. Está equipado com o Android 6.0.1 Marshmallow, muito perto da versão original: apenas uns utilitários e tweaks de sistema (por exemplo, o duplo toque para ligar/desligar o ecrã) diferem do Android original.